sábado, outubro 24, 2009

Dancem Macacos, Dancem

Um comentário:

diego_nassif disse...

1) Let it be, let it be...
2) Nossa delirante realidade nos confina entre o amor e medo (mormente o medo de amar e o medo de não ser amado).
3) Satisfação e felicidade são coisas diferentes.
Infelizmente (!) aquela se sobressai em detrimento desta.
4) Quase sempre nos reduzimos a impulsos bioquímicos de ordem ancestral: comer, dormir, trepar. Assim, o que parece nos fazer humanos não é nossa capacidade criativa (inteligência) de obter novas formas de fazer o mesmo, mas a nossa sensibilidade em abstrair o amor, de ver o outro como a si e a si mesmo como um outro - não impulsos biológicos de fraternidade e afeto, mas a necessidade de querer bem (felicidades ou satisfação?) não só a si, e sim que isso seja compartilhado com o outro-eu numa delirante festa (de amor e medo).
Não sei se estou certo ou é apenas uma consciência de formigueiro/colméia, mas, de toda forma, dancemos, macacos, dancemos !!!

Redação final da Lei da Terceirização

Altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3 de janeiro de 1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas e dá outras...