quarta-feira, abril 17, 2013

Refletindo


Ainda não sei se tinha vontade de ter muito dinheiro. Evidente que trabalho para ter dinheiro e viver bem, mas não sei se seria feliz ou infeliz. Falo assim em vista do que presencio todos os dias. Sob meu ponto de vista olho o mundo como em um reflexo no espelho. Se faço sei que respondo pelo meu feito. Aqui mesmo, sem ter medo de ter que pagar a algum santo ou mesmo a Deus. Outro dia li em algum lugar a respeito de uma pessoa que vivia uma vida muito simples, sem posses, mas era feliz. Trabalhava com um oficio simples e muito humilde, mas sempre sorrindo. Pensei que era uma vida boa que ele leva, mas com algumas dificuldades financeiras e algumas privações. Claro, se vejo o mundo do meu ângulo penso que algumas coisas fazem falta a ele, como faz a mim. Mas aquela pessoa me chamou a atenção e fiquei pensando muito nela, no seu modo de vida, nas suas dificuldades, ou facilidades encontradas sem se importar com um mundo cheio de dinheiro. Na mesma semana outro acontecimento paralelo a esse me chamou mais a atenção. A prisão de um rico que, por ganância, cometeu ilícito penal. 5 anos de prisão. Mas está a manter o seu patrimônio construído com a desgraça alheia. Fico aqui pensando: quanto custa a liberdade? Como ser livre se penso em ficar rico a todo instante? Não sei. Não chegaremos a nenhuma conclusão a não ser que a liberdade vale mais do que qualquer posição social. Principalmente a liberdade de bons pensamentos.

Nenhum comentário:

Minha sobriedade

Tenho acordado esses dias e me deparado com um velho no espelho. Olho pra ele e penso se tudo que ele passou pela vida valeu a pena. Pergu...